Assine nossa Newsletter


Agora no mês de junho teremos uma sequência de quermesses que deve durar, pelo menos, até o meio de julho em muitas cidades brasileiras. E neste ano, foi possível observar que muitos pet shops e ONGs aproveitaram a oportunidade para fazer a comemoração junina com os animais.

Se de um lado a integração e a socialização dos bichos são importantes, do outro é preciso tomar alguns cuidados neste período de festas para que não se transforme em um problema.

Assim como nas festividades de final de ano, no São João e no período de quermesses acontecem as tradicionais queimas de fogos e a alimentação em abundância, com ingredientes que podem causar desconforto aos animais.

Os pets tem uma audição bastante superior a humana. Um cão consegue ouvir um som quatro vezes mais longe do que uma pessoa. Eles também detectam sons maiores e menores frequências do que a gente. Já a audição nos gatos é sensível à altas frequências. Enquanto o ser humano pode perceber sons de até 20.000 Hz, os gatos poderão percebê-los até 50.000 Hz.

Segundo a veterinária Mariana Buck, é nesta época que aumenta o índice de atendimento de animais em emergência, principalmente por causa de fugas, em razão do barulho da queima de fogos, e por ingestão de alimentos diferentes da ração e da rotina do pet.

“As enfermidades mais frequentes são as intoxicações alimentares, gastroenterites, pancreatites e acidentes secundários pela fuga, como atropelamentos e quedas”, afirma Mariana.

Para minimizar os problemas, existem alguns truques que podem ajudar e fazer com que o pet se sinta mais seguro. Para aqueles que são muito assustados, a opção vai desde colocar o animal em caixas de transporte, espaços embaixo das camas ou poltronas, até pôr algodão dentro dos ouvidos para reduzir o barulho excessivo dos fogos.

“Os pets são muito sensíveis aos barulhos e ruídos. O fato de colocar algodão dentro dos condutos acaba abafando o som e diminuindo o estresse para o pet”, explica a veterinária.

Outra opção interessante é colocar uma roupinha mais justa no animal, ou mesmo passar uma faixa mais larga pelo dorso. “O objetivo desse truque é o de estimular a sensação de segurança, justamente por estar com a roupinha ou pano de forma mais apertada junto ao corpo”, afirma Mariana.

Ter cuidado ao comer perto do pet e não deixá-lo sozinho onde tem alimentos da festa junina também são pontos importantes. Existem vários alimentos nocivos aos animais durante este período. Entre eles podemos destacar o chocolate, que contém a teobromina, bastante tóxica aos pets; a uva, que mesmo em pequena quantidade pode ocasionar insuficiência renal; o amendoim, responsável pelas alergias, intoxicações e pancreatites; além da cebola e o alho, precursores de anemia grave.

“É muito importante seguir a rotina do pet e a dieta adequada, mesmo em épocas de festas. Pensando nos famosos petiscos, também conhecidos como snacks, sempre se deve consultar o médico veterinário para melhor orientação e especificação.”

Fonte: Flávio Brito/Estadão

Deixe uma resposta