Assine nossa Newsletter


1804
A coceira em cães pode ser provocada por vários fatores e é um problema frequente – aflige pelo menos 40% dos animais que vão ao veterinário. Para se ter uma ideia, 63% dos 400 clínicos gerais entrevistados recentemente pela Zoetis, companhia global de saúde animal, afirmam que de 3 a 5 consultas realizadas por dia estão relacionadas a doenças dermatológicas.
Além disso, 85% dos veterinários participantes da pesquisa apontam que cresceu a procura dos tutores por especialistas em doenças de pele.“Os tutores no Brasil veem os animais como membros da família e, por isso, têm buscado cada vez mais informações e atendimento especializado”, afirma o Gerente Técnico de Animais de Companhia da Zoetis, Alexandre Merlo.
Com alguns cuidados, é possível combater diversas causas do prurido – termo técnico para designar coceira. Confira dicas de Alexandre Merlo, lembrando sempre que, se o seu cão apresentar sintomas de alergia, você deve procurar um médico veterinário:
1.  Alimentos: carne bovina, frango e derivados do leite, entre outros alimentos, podem causar alergias intensas nos cães, sendo a coceira um dos principais sintomas. Em alguns casos, pode haver diarreia e até vômito. “Os tutores devem evitar oferecer aos cães alimentos não destinados a eles. Além das alergias, caracterizadas pela coceira, existem as chamadas intoxicações alimentares, em que se observam vômitos e diarreia com sangue – esses casos podem trazer complicações importantes, com necessidade de medicações injetáveis e até internações”, comenta o especialista.
2.  Perfumes, xampus e produtos de limpeza: a composição de alguns desses produtos pode conter agentes alergênicos para os cães e causar irritação na pele, além de intoxicação. “Os tutores devem evitar o contato dos animais de estimação com os produtos de limpeza armazenados e também durante o seu uso em casa. Alguns deles podem causar dermatites de contato, queimaduras na pele e sintomas de intoxicação por inalação. Além disso, xampus inadequados e perfumes fortes também podem trazer riscos aos animais, por isso é importante conversar com o veterinário para saber quais são os melhores produtos para o banho e pós-banho do seu cão”.
3.  Ácaros presentes na poeira: tapetes, cobertores, cortinas, sofás e camas – é vasta a lista de objetos que abrigam a poeira e os ácaros. “O pó pode causar alergias nos animais devido à presença de ácaros microscópicos, sendo a coceira um dos principais sintomas. Às vezes, o tutor acredita que a causa pode ser a picada de pulgas ou de outros parasitas, mas na verdade é um quadro alérgico que afetou a pele por causa de ácaros de poeira. Manter limpos os locais em que o cão permanece pode evitar esse mal. Muitas vezes, é necessário remover tapetes, carpetes e outros tecidos, para evitar a presença dos ácaros.
4.  Pulgas e carrapatos: Alexandre recomenda cumprir a agenda regular de prevenção de parasitas externos para evitar o prurido.. “Mas, se as picadas de pulgas e carrapatos desencadearem um quadro alérgico no animal, procure um veterinário. Existem medicamentos que podem controlar a coceira até que os parasitas sejam eliminados”.
5.  Pólen: assim como no ser humano, também pode causar alergia nos animais, por isso as flores devem ser evitadas nos ambientes com cães que têm alergia. Alexandre alerta que também é preciso tomar cuidado com as plantas em geral, pois dezenas delas, como “comigo-ninguém-pode” e azaléia, são tóxicas para os animais. Ao serem ingeridas, podem provocar vômitos e diarreia, entre outros sintomas.
Quando a causa é desconhecida
Ao perceber qualquer comportamento fora do comum do seu melhor amigo, como balançar a cabeça inúmeras vezes, coçar-se excessivamente ou, ainda, se ele apresentar feridas na pele, procure um médico veterinário, pois pode se tratar de alergia.

Deixe uma resposta